quarta-feira, 29 de abril de 2015

Sérgio Seixas, suas trilhas sonoras de novelas e sonoplastia da TV brasileira

Antigamente, novela não era apenas uma boa história, bom elenco, direção, novela também era uma boa trilha sonora. Daquelas de tirar o fôlego. Uma época produtiva pra música. Muita gente boa (canções, cantores, bandas) surgiu na época do auge das trilhas sonoras de novelas e, muita gente por trás, nos bastidores, foram responsáveis em montar trilhas sonoras memoráveis. E o portal MUNDO NOVELAS entrevistou uma dessas pessoas: SÉRGIO SEIXAS, um mestre da sonoplastia.

Falar em Sérgio Seixas é lembrar de uma época produtiva das trilhas sonoras de novelas. E as melhores, videm: Tieta, A Gata Comeu, De Quina Pra Lua, Fera Radical, Sinhá Moça (1986) e tantas outras. E Sérgio Seixas não se resume apenas em trilhas sonoras de novelas. Como sonoplasta, ele já trabalhou em diversos programas, noticiários e musicais de TV como o Cassino do Chacrinha, Jornal Nacional, Cobertura da Copa do Mundo da Globo, Big Brother Brasil entre muitos outros.

Sergio Seixas também trabalhou diretamente com os principais diretores de programa e novelas da Globo. E era um dos preferidos, tamanha é sua competência e profissionalismo.

Conhece a famosa música do Ayrton Senna!? Pois foi produzida por Sérgio Seixas, e ele explica tudo aqui, com EXCLUSIVIDADE, numa entrevista histórica e muito interessante para o portal MUNDO NOVELAS:

MUNDO NOVELAS: As trilhas sonoras da novela "A Gata Comeu" estão completando 30 anos, agora em abril. Assim como o fenômeno que foi a audiência da novela, lembrada até hoje, as músicas também explodiram nas paradas de sucesso daquele ano, conforme a perfeição que foram as trilhas sonoras. Explique como foi isto tudo?

Sérgio Seixas: Naquela época, tínhamos em toda novela, duas trilhas sonoras, uma no inicio com músicas brasileiras e quando a novela atingia mais ou menos a sua metade de capítulos entrava a trilha sonora internacional.

Então, naquele momento eu fui incumbido pela Som Livre pra fazer a escolha dos temas internacionais para os personagens e fiz com muita sensibilidade. Pude contar com músicas e hits que fizeram e fazem muito sucesso até os dias de hoje, como por exemplo, Smooth Operator , Forever By Your Side entre outras que até hoje tocam nas rádios em todo Brasil.

Sérgio Seixas ganhou disco de ouro pela venda da trilha sonora de "A Gata Comeu"
MN: e como você explica a vendagem do disco, que foi astronômica. Você também ganhou um disco de ouro por conta do grande sucesso da trilha sonora de "A Gata Comeu".

Sérgio Seixas: Na verdade o disco finalizou a vendagem com cerca de UM MILHÃO de copias vendidas, e ainda vendia mesmo com a novela já terminada Eu ganhei o disco de ouro pela excelente marca quando chegou aos 500 mil vendidos. Imagina você, naquela época do vinil, vender 400 mil copias!? Hoje 100 mil é festa e só para os feras da MPB!

MN: Como era a relação dos atores com aquelas músicas marcantes para seus personagens?

Sérgio Seixas: Me lembro que os atores adoravam os temas deles.... Christiane Torloni adorava o tema dela - Forever by you side/Manhattans - com o Fábio (Nuno Leal Maia). O Saudoso Herval me adorava, eu fazia todas as novelas das 18h! Era o rei das 18 horas. Trabalhei com todos o grandes artistas e diretores, era contato direto, pois como sabes, sonoplasta é o último a colocar a mão na fita. Nossa, show de hits! Sou um apaixonado por hits e conexões das músicas com os personagens.

MN: "A Gata Comeu" também chegou a tocar crazy for you, sucesso romântico de Madonna, escolhido como tema de Alice (Sônia Regina). Mas, de repente, a música foi impedida de tocar na novela e os discos foram recolhidos, depois de serem distribuídos pra venda. "Smooth Operator" da Sade, ficou no lugar da música de Madonna. Como foi isto?

Sérgio Seixas: Foi problemas de direitos autorais, que não acertou valores com a editora. Ecad, etc. Tudo que era tocado tinha que pagar, por cada vez ou por tempo minutos tocados. Fora os direitos da venda do fonograma. Para uma música entrar no disco tem que pagar roalties. Se for como tema é um valor. Abertura uma grana maior ainda, fora as vezes que toca. Até mesmo um só acorde tem que pagar, mesmo se for um BG ou uma versão mais lenta ou triste.

MN: Antigamente, as pessoas conheciam as músicas, muitas vezes, através da novela. Lembro que era maravilhoso ouvir uma música nova, numa determinada novela e ficar naquela ansiedade pra saber quem cantava, qual era o nome da música... Eu ficava de vigília, esperando tocar de novo ou esperando que tocasse numa rádio, pra gravar ou ir correndo comprar o disco da novela, por causa da música. Como era a sensação pra você, que produzia sensações maravilhosas no público através das músicas em trilhas sonoras memoráveis?

Sérgio Seixas: Quando eu tocava uma música na novela ela estourava de sucesso. Não sei como, mas eu escolhia um trecho da música e pronto, era esse trecho que bombava. Nossa, é uma pena. Perderam a mão!

MN: Infelizmente, não produzem mais boas trilhas sonoras de novelas. Acho que precisamos do Sergio Seixas. Hoje em dia, não se preocupam mais com isto. Que é muito importante pra uma boa história. O que houve pra as trilhas de novelas morrerem com o tempo?

Sérgio Seixas: A Globo ficou órfã, perdeu um monte de gente com talento e sensibilidade. Na parte que estamos falando, o Guto Graça Melo, o Sergio Motta, feras do disco, já não estão mais na praça. A Globo ta perdendo em todas as áreas. O jumbo ta balançando, Vênus Platinada esta perdendo todo dia, haja visto, recentemente, nosso querido Talma. Na Globo , pessoas são como o tempero de comida. Em restaurantes tudo é comida, mas o modo de fazer é que faz a diferença, o tempero que faz a diferença. Pessoas iluminadas nos lugares certos. Músicas tocadas na hora certa.

MN: Como você chegou na Globo? Como foi o início de tudo?

Sérgio Seixas: Sou um sonoplasta que comecei na tv Globo em 1978. Naquela época eu fazia de tudo de áudio na Globo. Sonorizava, gravava nos estúdios, operava o jornal nacional, globo repórter, e aos finais de semana fazia o Cassino do Chacrinha com velho guerreiro. E no domingo operava os jogos no maracanã.

MN: Qual foi a primeira novela que você sonorizou?

Sérgio Seixas: Sonorizei cerca de 20 novelas! A primeira foi a novela Cabocla em 1979. Das seis um montão desde Cabocla ainda em mono. Das sete, "Que Rei Sou Eu?" (1989).

MN: Como era sua rotina de trabalho?

Sérgio Seixas: Trabalhava muito na emissora, no teatro fênix e muitas externas também. Operava as mesas para fazer o som dos teatros, e os monitores de palco para os artistas, o famoso retorno.

MN: Sei que muitos preferiam você. Fale alguns?

Sérgio Seixas: Tim Maia só fazia som na Globo comigo. Já chegava no fênix me procurando. E Chacrinha, então, era até ciumento. Descia do carro e já perguntava: Serginho já esta aí? Também gostei de trabalhar com o Jorge Fernando e Abu (Antônio Abujamra).

Sérgio Seixas como sonoplasta do Big Brother Brasil 12
MN: Além das novelas, você também é mestre em programas e telejornalismo.

Sérgio Seixas: De tanto que trabalhei para todas as áreas de som da Globo, tive boas oportunidades. Trabalhei pro jornalismo e DEP. de esportes. Formula 1.

MN: Como foi sua experiência na cobertura da copa do mundo?

Sérgio Seixas: Copa do mundo de 1982 na Espanha, criei um novo estilo de usar a música no futebol. Antes de viajar, fui nas embaixadas dos países participantes e peguei cópias de músicas típicas fitas de rolo e levei um container pra Madri, cheio de músicas que eu usava em todas as matérias que os repórteres faziam nas concentrações de cada país. Também levei várias trilhas na época. Foram feitas no level, DEP. Musical da Globo. Maestros como Didier, Sergio Sarraceni, Eduardo Lages, fizeram um material para eu usar em programas, que seriam produzidos lá, em Madri.

MN: Como foi a história da famosa música do Ayrton Senna?

Sérgio Seixas: Inclusive a música que tocava quando nosso Ayrton Senna subia ao Podium, fui eu que escolhi e toquei pela primeira vez. Foi por acaso que, durante a copa de 1982 na Espanha, em um domingo, aconteceu uma corrida de formula 1 justamente na Espanha e o sinal então foi gerado por nós desde Madri para a Globo no Brasil e, na hora que Ayrton Senna ganhou, eu toquei aquela música tã tã tã, tã tã tã... E depois virou hino...

MN: Como foi a experiência de sonorizar minisséries antológicas da Globo?

Sérgio Seixas: Também fiz minisséries como Memorial de Maria Moura, que saudade do Manga... Foi a primeira vez que fizemos a sonorização como se faz em cinema. O produtor musical era Roger Hanrry. Montamos uma ilha de teclados dentro da sala de sonoplastia e eu passava o capítulo para ele e ele ia tocando e criando de acordo com as cenas e eu ia gravando em multi pistas para depois mixar e acrescentar mais acordes e alguns tensos a mais. Era show como no cinema!

MN: Como está Sérgio Seixas hoje? É verdade que você está sem emprego? Logo um profissional premiado como você, conhecedor de tudo, que fez história. Que fez as melhores trilhas sonoras de novelas da Globo. Sem contar com tantos outros trabalhos. Mais um grande ícone de nossa TV! É injusto lhe tirarem a oportunidade!

Sérgio Seixas: Vivo com dificuldades, pois desde 2010 prestava serviços pra Globo, exatamente no Big Brother Brasil. Mas, desde o final do ano, eles não chamaram mais pra nada. Preferem os estagiários, sei lá por quê. Hoje, tenho medo do descaso, medo de ficar sozinho aqui. E entrar em depressão. Sempre fico pensando no meu amigo My boy. Tenho feito alguns contatos e tenho fé em Deus que vou me reerguer. 

Eu trabalhava em contato direto com os feras, entende!? Era Paulo Ubiratan, Talma, Nilton Travesso, Jaime filho de Maísa, Gonzaga Blota, o pai desse garoto dos Dez Mandamentos, Avancinne. No Teatro Fênix, Vannuci, Daniel Filho...

Sempre fui muito querido por todos. Quando trabalhei na copa em Madri, ao final, o Sr Armando Nogueira me deu uma semana de folga com hotel pago pra eu ficar em Madri e poder então passear um pouco. O chefão da linha de Shows da época é meu amigo aqui do face, Walter Lacet.

Falam tanto que os diretores gritam ou gritavam com todo mundo etc e tal. Eu vi e ouvi realmente muitos gritos e esporros nos outros, mas eu nunca passei por isso na Globo. Comigo só vitórias!

Um comentário :

Sergio Seixas disse...

Sucessos e hits inesquecíveis. Que marcaram época e muitas novelas .